olivia maia - escritora desterrada.

buenos aires

Não entendi por que os argentinos preferiam escrever histórias fantásticas ou inverossímeis sobre civilizações perdidas, ou clones humanos, ou hologramas em ilhas desertas, quando a realidade estava viva e a gente a sentia queimar e se queimar, e doer na pele das pessoas.

Tomás Eloy Martínez, O cantor de tango

gosta do que eu escrevo?

receba novidades por e-mail: assine a newsletter.

colabore com meu trabalho: compre meus livros ou faça uma contribuição única ou mensal.