olivia maia - escritora e ilustradora desterrada.

e que saiba abrir a porta para ir brincar

Gato5nd

há certos escritores que se lê como se escreve. que o cérebro registra a leitura como se escreve, como se reproduzisse em eco o texto alheio e se apropriasse dele. desses o prazer maior da leitura, dessa construção em conjunto, de pertencer a qualquer coisa externa que ao mesmo tempo também é você, também é algo seu, transformado seu.

o texto acaba mas jamais acaba, e continua pela ponta do lápis, pelos dedos no teclado em energia renovada e a certeza que sim, tudo já foi dito e tudo já foi escrito, mas há esse eco e por ele continua-se escrevendo e registrando e dizendo, milhares de pontos de vista sobre um mesmo objeto, sobre nosso único objeto, tudo sempre reflexos de um existente para além daquilo que jamais poderia ser pronunciado.

gosta do meu trabalho?

receba novidades por e-mail: assine a newsletter.

apoie minha produção e receba em casa o zine rabiscologia.