olivia maia - escritora desterrada.

nascera ancião e não podia morrer

Remontava-me à ideia de um deus criador. Um espírito que não tinha pé em nada, capaz de estabelecer as leis do equilíbrio, a gravidade e o movimento. Mas seu universo era uma rotação de bolinhas, maiores ou menores, opacas ou luminosas, em um espaço preciso, como recortado pelo alcance de um olhar, no qual o som resultava inconcebível.

Então, por minhas necessidades, o deus criador adquiria a figura de um homem, que não podia ser verdadeiramente um homem, porque era um deus, alheio e remoto. Um ancião de melena e barba branca, sentado em uma rocha, que contemplava com cansaço o mudo universo.

Seus cabelos eram, desde sempre, brancos. Nascera ancião e não podia morrer. Sua solidão era atroz. Aziaga.

Como um deus não pode criar deuses, pensou em criar o homem, para que este os criasse.

Criou então a vida. Mas antes de criar o homem, fez as cobras, os germes da peste e as moscas, deu fogo aos vulcões e removeu a água dos mares. Precisava extirpar o tormento e uma certa cólera que a solidão pusera em seu coração.

Depois realizou uma obra de amor: o homem, e o rodeou de bens.

Mas o deus fracassou, porque o homem criou uma multidão de deuses que não olhavam bem para o primeiro e não só dividiram entre si o universo, como alguns deles impuseram hegemonias. O maior fracasso do deus consistiu em que podia ver o homem, mas o homem não podia vê-lo, não podia devolver-lhe nenhum de seus olhares enternecidos de pai.

O deus ficou sozinho e irritado. Deixou que os frutos do bem se multiplicassem por si próprios ou por obra do homem; mas não eliminou os males e, desde então, para manifestar sua presença, comprazia-se em agitá-los, ora aqui, ora ali. Outros deuses adventícios o ajudavam.

Zama, Antonio Di Benedetto
Ed. Globo
págs. 131-132

esse trecho é o começo da segunda parte do romance. gostei mais dos outros dois livros que li dele, “Os suicidas” e “O silencieiro”. mas esse também é bom, e a segunda parte é melhor ainda, pela sutileza de um tema maior que se esgueira por trás da trama, silenciosamente.
recomendo todos.

gosta do que eu escrevo?

receba novidades por e-mail: assine a newsletter.

colabore com meu trabalho: compre meus livros ou faça uma contribuição única ou mensal.