olivia maia - escritora desterrada.

o talvez definitivo

Os antigos escrevem — diz Colombo no Diálogo — que os amantes infelizes jogavam-se no mar do penhasco de Leucádia, e se conseguissem sobreviver, ficavam livres da paixão amorosa pela graça de Apolo. Pois então “cada navegação é quase um salto do penhasco Leucade”. Os navegadores estão sempre em perigo de morte, mas justamente por isso valorizam a vida mais que os outros. Distantes da terra, eles não têm maior desejo do que ver dela um “cantinho”. Disso fazem fé aqueles que participam da presente expedição: incertos da viagem, acordam e adormecem pensando na terra; “e se uma só vez nos será revelado de longe o cume de um monte ou de uma floresta, ou coisa parecida, nossa felicidade será imensa.”

– Piero Boitani, A sombra de Ulisses

e pensar no final do conto “Perda e recuperação do cabelo“, do Cortázar. pensar nesse grande talvez que nos empurra adiante numa vida que nunca poderia ter sentido nenhum senão aquele que damos a ela. por acreditar em alguma coisa ou procurar o que com certa frequência nos parece impossível alcançar*; para lutar contra o pragmatismo e a horrível tendência à consecução de fins úteis; por procurar um fio de cabelo com um nó no meio; por acreditar no novo mundo ou num mundo novo.

é o mesmo talvez que faz a literatura:

“Os homens escrevem ficções porque estão encarnados, porque são imperfeitos. Um deus não escreve romances.” (Enrique Vila-Matas)

nesse livro A sombra de Ulisses, o autor conta como Leopardi comenta a glória da empreitada de Colombo apontando que “o conhecimento reduz, faz com que [o mundo] ‘diminua’ na consciência do homem”, “achata a Terra tornando-a uniforme, transformando-a em breve carta“, “arranca o ‘caro imaginar’ do menino e da humanidade criança, mata, com o ‘real’, o estupendo poder primigênio da imaginação”, “faz desaparecer de repente, fixando-os em um ponto geográfico, os sonhos do outro mundo, da nova terra além do ocaso do sol”. pois está posta a contradição desse talvez. é ele, afinal que impulsiona a ciência, tida por Leopardi como “inimiga das grandes ideias, apesar de ter desmedidamente ampliado as opiniões naturais”, pois “uma pequeníssima ideia confusa é sempre maior do que uma grandíssima completamente clara”.

o talvez é sempre maior do que o sim e o não. o possível é sempre infinito, enquanto o fato está limitado em suas dimensões medíveis. mas no devir da existência a grandeza do talvez está condenada a se transformar a todo momento em simnão, em fatos, descobertas; mesmo na forma de ficção ele perde também um pouco da sua imensidão, dadas as devidas proporções e acreditando no que Aristóteles apontou sobre a diferença entre poesia e história: a poesia é “o que poderia acontecer”.

um talvez que cria a esperança mas também faz nascer a espera. de qualquer forma, não escapamos dele.

* na terça-feira saindo do metrô fui abordada por uma moça mui simpática que precisava dizer, ainda que aquilo soasse um pouco estranho que eu pensava que estava buscando alguma coisa impossível, mas não, era isso mesmo, não era uma busca impossível. eu sorri, ela pareceu um pouco constrangida, deu um tchau meio sem jeito e subiu os degraus da escala rolante.

gosta do que eu escrevo?

receba novidades por e-mail: assine a newsletter.

colabore com meu trabalho: compre meus livros ou faça uma contribuição única ou mensal.