olivia maia - escritora e ilustradora desterrada.

sempre o mesmo trote pernóstico

Não pretendo ler mais Machado de Assis, a não ser seus afamados contos. Talvez também o começo de Dom Casmurro, do qual já li crítica que me despertou a curiosidade. (…) Por vários motivos: acho-o antipático de estilo, cheio de atitudes para ‘embasbacar o indígena’; lança mão de artifícios baratos, querendo forçar a nota da originalidade; anda sempre no mesmo trote pernóstico, o que torna tediosa a leitura. Quanto às ideias, nada mais do que uma desoladora dissecação do egoísmo e, o que é pior, da mais desprezível forma do egoísmo: o egoísmo dos introvertidos inteligentes.

Os cadernos do cônsul Guimarães Rosa, trecho dos diários do escritor citado em Valor Econômico, 14/01/2002.

gosta do meu trabalho?

receba novidades por e-mail: assine a newsletter.

apoie minha produção e receba em casa o zine rabiscologia.