olivia maia - escritora desterrada. meio artista.

blog

textos esporádicos aqui e no medium.

uma semana de rabiscologia ou: enfim encontrar-se consigo

uma semana rabiscando.

uma semana pra lembrar o que eu sou e o que eu posso fazer. pra lembrar que eu sou escritora, claro; mas não é só isso. que eu posso fazer arte, a minha arte. e que existe uma arte que é minha.

uma semana.

o retorno é bom, sim, dá uma alegria; saber que eu posso fazer algo que tem sentido pra mim e que isso tem sentido também pra outras pessoas. inspirar. mas a alegria maior está em fazer: em rabiscar. em permitir-me rabiscar. de repente todas as ideias mirabolantes de ilustração, texto e artes diversas (etc etc etc) voltam na minha cabeça, ficam rondando minha mesa e as canetinhas. todas as ideias que sempre estiveram aí mas que.

nada. não tinha motivo pra deixar as ideias todas assim, abandonadas.

fiquei mais de dois anos viajando nessa pilha de “me encontrar” e descobrir o que eu queria fazer, mas só fui descobrir mesmo dois anos depois da viagem terminada, quando comecei a reencontrar a rotina.

pior (ou melhor?): nenhuma resposta mirabolante. uma resposta que esteve sempre presente, todo tempo; eu que não estava prestando atenção. era tão óbvio.

o projeto rabiscologia, no apoia.se, já tem mais de 10 apoiadores. se você tem vontade de participar, colaborar, rabiscar: dá uma espiada na página, veja se alguma das opções de assinatura/apoio te parece interessante. tem um zine mensal e artes digitais ou impressas. o zine começa a ser enviado em novembro, mas pra receber essa primeira edição tem que confirmar o apoio até o final de setembro!

se ficar com vontade de rabiscar também, me avisa. compartilha no instagram com a tag #rabiscologia.

essa coisa de autopromoção continua meio esquisito pra mim. se puder me ajudar com divulgação, eu agradeço demais! avisa os amigos, os colegas de trabalho… vai ser bem massa.

novo projeto: RABISCOLOGIA

quem assina a newsletter já sabe; agora, chegou o momento de contar pro mundo.

acabei de lançar um novo projeto:
rabiscologia é a ciência do rabisco. é um espaço de estudo, experiências, testes e, principalmente, um espaço de liberdade. um espaço onde manda a louca da casa, aquela, a imaginação.

é também o novo nome da newsletter e de um zine mensal, que começa a existir a partir de novembro.

epa epa epa como assim?

pois: a Olivia escritora agora assumiu que é também um pouco Olivia artista, desenhista, rabiscadora. e pra poder compartilhar meus novos rabiscos, resolvi criar uma página na plataforma apoia.se. lá, você vai poder assinar o zine impresso por 15 reais mensais, e ele vai até você por correios a partir de novembro

além disso, pode ainda assinar um pacote extra pra receber, além do zine, um rabisco assinado, impresso, todo bonitão.

e pra não deixar ninguém de fora, criei ainda outras faixas de apoio, pra quem não quer mais papel nessa vida ou está precisando economizar. todas elas garantem uns presentinhos eventuais e participação em sorteios pra ganhar rabiscos e outras artes que eu inventar por aqui.

RABISCOLOGIA, o zine

o zine é um espaço de experimentação. é texto, ilustração, fotografia, rabiscos. uma mistura de tudo isso. rabiscologia vai ser principalmente uma surpresa, mas uma surpresa sincera. um pedaço de mim, como artista, na sua caixa de correios. o formato é A6 e o papel pode variar, assim como as cores na impressão.

a primeira edição vai ser especial: vou participar este ano do inktober, e produzir uma ilustração por dia durante o mês de outubro (bora participar também?). em novembro, vou montar a edição ZERO de rabiscologia com uma coleção das minhas ilustrações favoritas.

mas olha só: pra receber a edição zero, tem que confirmar o apoio até dia 30 de setembro. isso por causa da forma como o apoia.se repassa as contribuições (demora um pouquinho). mas só demora o primeiro, prometo. dali em diante, é só manter a assinatura em dia que você recebe um por mês mesmo.

sorteio extraordinário inktober

pra comemorar minha alegria em compartilhar esse projeto, resolvi também fazer um sorteio ultra mega master especial pra quem apoiar até o final de setembro: um sorteio dos originais produzidos durante o inktober. TODOS ELES. e também não importa o valor de contribuição: todos os apoiadores vão concorrer. o sorteio vai rolar em novembro, mas só participa pra quem assinar até 30 de setembro.

bora participar?

e outra: o maior apoio que você pode me dar nesse momento é a sua ajuda com divulgação! corre na página do projeto e manda o link pros amigos e pro vizinho e pro chefe e pra quem mais puder se interessar. está tudo explicadinho por lá.

e vai se preparando pra começar a rabiscar também.

mais do que um leitor

El oficio literario es de lo más paradójico: es verdad que escribes en primer lugar para ti mismo, para el lector que llevas dentro, o porque no lo puedes remediar, porque eres incapaz de soportar la vida sin entretenerla con fantasías; pero, al mismo tiempo, necesitas de manera indispensable que te lean; y no un solo lector, por muy exquisito e inteligente que éste sea, por mucho que confíes en su criterio, sino más personas, muchas más, a decir verdad muchísimas más, una nutrida horda, porque nuestra hambruna de lectores es una avidez profunda que nunca se sacia, una exigencia sin límites que roza la locura y que siempre me ha parecido de lo más curiosa.

Rosa Montero, La loca de la casa

contra o próprio preconceito

Para mí el famoso compromiso del escritor no consiste en poner sus obras a favor de una causa (el utilitarismo panfletario es la máxima traición del oficio; la literatura es un camino de conocimiento que uno debe emprender cargado de preguntas, no de respuestas), sino en mantenerse siempre alerta contra el tópico general, contra el prejuicio propio, contra todas esas ideas heredadas y no contrastadas que se nos meten insidiosamente en la cabeza, venenosas como el cianuro, inertes como el plomo, malas ideas malas que inducen a la pereza intelectual. Para mí, escribir es una manera de pensar; y ha de ser un pensamiento lo más limpio, lo más libre, lo más riguroso posible.

Rosa Montero, La loca de la casa