artigos & contos

contos, crônicas e artigos diversos publicados ou não em outras mídias.

Trajetória

Bola que desaparece com o ruído de folhagem atrás das pedras altas e da vegetação depois das traves e então aquela troca de olhares por decidir quem vai se enfiar no meio do mato para buscá-la. Então pensar que estava de férias, que era a turma da escola e quase todos ainda na vila, ainda na região, ainda jogo de futebol naquele campo desnivelado todo fim de semana, ainda buscar a bola no meio do mato a cada chute desmedido; pensar que havia sido tão bem recebida apesar da suposta fama que era na verdade um profissionalismo capenga e insistente — quem se importa com futebol de salão feminino — e pelo menos ali não tinha a constante sensação de que se agarrava a uma fantasia adolescente de sucesso esportivo e cedo ou tarde precisaria arrumar um emprego de verdade, uma vida de verdade.

Conto fantástico publicado em e-book no início de 2016 pela Editora Draco como parte da coleção digital da coletânea Futebol: histórias fantásticas de glórias, paixões e vitórias.

Comprar e-book: Amazon | Cultura | Kobo | Google

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestBuffer this page

[Top 5] Olivia Maia

:: 05/08/2013

Para escrever o romance A última expedição, publicado pela Editora Draco em abril de 2013, Olivia Maia viajou à Bolívia e percorreu as cidades e caminhos da trama, procurando cenários e personagens e construindo a narrativa, enquanto tentava descobrir onde poderia ter se escondido o médico irlandês desaparecido naquela imensidão do altiplano. Neste TOP 5, a autora volta alguns passos para buscar as origens da sua identificação com a literatura policial e de mistério e apresentar os livros, nem sempre policiais, que influenciaram sua escrita.

Publicação em que comento sobre cinco influências de meu trabalho no blog da Editora Draco.

[Leia o Top 5 no blog da editora.]

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestBuffer this page

Perseguindo histórias e personagens

Logo no voo de meia hora entre Santa Cruz de la Sierra e Sucre (porque a estrada entre essas duas cidades é dessas em que passa um ônibus pequeno e se olhar demais para o abismo ele pode olhar de volta e aí já viu), na imensidão daquele começo de altiplano, aquela paisagem parda de deserto, tive um pouco de pena dos meus personagens e na tarefa quase impossível que os aguardava. Não ia encontrar aquele médico nunca.

Artigo sobre o planejamento e a escrita do livro A última expedição. Publicado em abril de 2013 no blog da Editora Draco,

[Leia o artigo.]

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestBuffer this page

Única ordenação possível

César o desespero a lhe tomar todos os músculos do corpo, fazendo acelerar o ritmo cardíaco. Suas mãos um tremor; quis metê-las nos bolsos, mas o calor. Ocupou-se em atualizar a ficha de exercícios do senhor que ainda na esteira assistia distraído à televisão, esperou passar os minutos mas eram ainda as anilhas fora de lugar esparramadas pelo chão, o sujeito que se movia de um aparelho a outro como se flutuando em outra dimensão de espaço.

Conto publicado na revista Carta Fundamental, nº 25, em fevereiro de 2011.

(mais…)

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestBuffer this page

Quando nasce o futebol

Em 1994, a coleção de ‘cards’. Sabia decorado o nome de quase todos os jogadores. Gostava principalmente dos goleiros. Ouvia todos acusarem os frangos de Taffarel, mas via uma muralha. O jogo contra a Holanda, interminável. A final nos pênaltis: escondida atrás do sofá por não saber conter a ansiedade.

Crônica publicada na Revista Fazenda da Grama, edição 19, em maio de 2010.

(mais…)

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestBuffer this page

Odradek e os personagens

Morremos. A literatura permanece. Os personagens vivem para sempre. Eis a sina de todo escritor. Voltamos ao Odradek de Kafka, silenciosamente dizendo tudo o mais que se poderia dizer sobre a literatura e o tempo. Porque a idéia que ele possa nos sobreviver é sempre quase dolorosa.

Artigo sobre as possibilidades da literatura. Publicado em 05/07/2008 na seção “Palavra” do Le Monde diplomatique Brasil Online.

[Leia o texto.]

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestBuffer this page

A casa no morro

Conto policial em cinco partes publicado em formato de folhetim na seção “Palavra” do Le Monde diplomatique Brasil Online, ao longo de maio de 2008.

[Leia:
   parte 1;
   parte 2;
   parte 3;
   parte 4;
   final.]

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestBuffer this page

A terceira carta não-enviada

Tudo me parece meio despropositado, mas minhas caminhadas agora me servem melhor do que estar preso no trânsito para pensar em você e em tudo aquilo que podia ter acontecido.

Conto escrito como trabalho final em uma disciplina da faculdade.

(mais…)

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestBuffer this page

Do processo de organização das idéias

Alguns poderiam dizer que saber toda a história antes de escrever tira toda a graça da escrita. Mas literatura policial é um troço assim. É um artesanato com uma técnica.

Artigo sobre meu processo de criação e organização de ideias ao escrever minhas histórias policiais. Publicado em 22/02/2008 na seção “Palavra” do Le Monde diplomatique Brasil Online.

[Leia o texto.]

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestBuffer this page

O dilema da literatura policial brasileira

Nenhum escritor está disposto a se colocar como um escritor menor, um mero escritor de literatura de entretenimento. Dos poucos escritores brasileiros de literatura policial, a maioria ainda pretende se colocar uma importância que não deveria ter.

Ensaio sobre a literatura policial brasileira. Publicado em 18/01/2008 na seção “Palavra” do Le Monde diplomatique Brasil Online.

[Leia o texto.]

Email this to someoneShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on TumblrPin on PinterestBuffer this page