olivia maia - escritora desterrada. meio artista.

artigos & contos

contos, crônicas e artigos diversos publicados ou não em outras mídias.

Trajetória

Bola que desaparece com o ruído de folhagem atrás das pedras altas e da vegetação depois das traves e então aquela troca de olhares por decidir quem vai se enfiar no meio do mato para buscá-la. Então pensar que estava de férias, que era a turma da escola e quase todos ainda na vila, ainda na região, ainda jogo de futebol naquele campo desnivelado todo fim de semana, ainda buscar a bola no meio do mato a cada chute desmedido; pensar que havia sido tão bem recebida apesar da suposta fama que era na verdade um profissionalismo capenga e insistente — quem se importa com futebol de salão feminino — e pelo menos ali não tinha a constante sensação de que se agarrava a uma fantasia adolescente de sucesso esportivo e cedo ou tarde precisaria arrumar um emprego de verdade, uma vida de verdade.

Conto fantástico publicado em e-book no início de 2016 pela Editora Draco como parte da coleção digital da coletânea Futebol: histórias fantásticas de glórias, paixões e vitórias.

Comprar e-book: Amazon | Cultura | Kobo | Google

[Top 5] Olivia Maia

:: 05/08/2013

Para escrever o romance A última expedição, publicado pela Editora Draco em abril de 2013, Olivia Maia viajou à Bolívia e percorreu as cidades e caminhos da trama, procurando cenários e personagens e construindo a narrativa, enquanto tentava descobrir onde poderia ter se escondido o médico irlandês desaparecido naquela imensidão do altiplano. Neste TOP 5, a autora volta alguns passos para buscar as origens da sua identificação com a literatura policial e de mistério e apresentar os livros, nem sempre policiais, que influenciaram sua escrita.

Publicação em que comento sobre cinco influências de meu trabalho no blog da Editora Draco.

[Leia o Top 5 no blog da editora.]

Perseguindo histórias e personagens

Logo no voo de meia hora entre Santa Cruz de la Sierra e Sucre (porque a estrada entre essas duas cidades é dessas em que passa um ônibus pequeno e se olhar demais para o abismo ele pode olhar de volta e aí já viu), na imensidão daquele começo de altiplano, aquela paisagem parda de deserto, tive um pouco de pena dos meus personagens e na tarefa quase impossível que os aguardava. Não ia encontrar aquele médico nunca.

Artigo sobre o planejamento e a escrita do livro A última expedição. Publicado em abril de 2013 no blog da Editora Draco,

[Leia o artigo.]

Única ordenação possível

César o desespero a lhe tomar todos os músculos do corpo, fazendo acelerar o ritmo cardíaco. Suas mãos um tremor; quis metê-las nos bolsos, mas o calor. Ocupou-se em atualizar a ficha de exercícios do senhor que ainda na esteira assistia distraído à televisão, esperou passar os minutos mas eram ainda as anilhas fora de lugar esparramadas pelo chão, o sujeito que se movia de um aparelho a outro como se flutuando em outra dimensão de espaço.

Conto publicado na revista Carta Fundamental, nº 25, em fevereiro de 2011.

Quando nasce o futebol

Em 1994, a coleção de ‘cards’. Sabia decorado o nome de quase todos os jogadores. Gostava principalmente dos goleiros. Ouvia todos acusarem os frangos de Taffarel, mas via uma muralha. O jogo contra a Holanda, interminável. A final nos pênaltis: escondida atrás do sofá por não saber conter a ansiedade.

Crônica publicada na Revista Fazenda da Grama, edição 19, em maio de 2010.