olivia maia - escritora e ilustradora desterrada.

tag: blog

ano novo, loja nova, primeiros passos do zine e muitos rabiscos

o blog ficou mais esporádico mas sigo firme no instagram, publicando novos rabiscos e fotos de gato (porque sim fotos de gato e inclusive a vida fica muito melhor com fotos de gato). quem não tem instagram pode acompanhar no diário fotográfico do blog, ou no facebook, ou mesmo no twitter.

e tem a newsletter, claro, que se você não assina devia assinar.

mas isso é o de sempre, então vamos ao novo:

o site ganhou uma lojinha online, onde você pode comprar alguns de meus livros diretamente comigo, autografados e, principalmente: RABISCOS. isso significa que estarão à venda prints (mini-posteres, em tamanho A5 ou A4) de ilustrações, e em breve também postais (pra mandar pros amigos distantes ou colecionar). isso também significa que minha produção ganhou mais um incentivo. melhor dizendo: pode ganhar. depende obviamente do interesse de vocês. bora comprar uns presentinhos de ano novo? tudo com precinho camarada porque, na real, não estou fazendo nada disso pra ganhar muitos dinheiros, e sim pra continuar produzindo: pra continuar crescendo como artista, ilustradora, escritora.

(eu nem gosto muito de dinheiro; eu gosto de nanquim, canetinha colorida, livros, gatos e chocolate vagabundo. infelizmente, precisa dinheiro pra tudo isso, e esses gatinhos resgatados da rua criados com leite de vaca vivem ficando doentes.)

enfim: agradeço se puder divulgar a loja!

mais: o zine RABISCOLOGIA segue adiante neste 2018. já foram 2 edições + 1 edição especial enviadas aos assinantes nesse finalzinho de 2017. pra receber as próximas, vai na página do projeto no apoia.se e escolhe uma opção de assinatura: com a partir de 15 reais mensais já tem zine no pacote. se preferir, ainda tem outras opções, sem zine ou com zine, com rabisco digital e rabisco impresso. tem tudo lá explicadinho e qualquer dúvida pode me perguntar.

e estou preparando uma seção de ilustração no site. ainda não tem nada lá. mas né, calma.

também vai ter livro novo na área, ESTE ANO. dessa vez, prometo. estou pensando em fazer uma campanha no catarse pra fazer uma produção bonitona. será que alguém se anima?

um Joaquim matutino de 2018 pra finalizar.

site de cara nova

,

depois de uma semana com a cara colada na tela do computador vendo php e css até nos sonhos, consegui terminar a reforma no site. o blog agora está um pouco mais escondido: os posts andam meio esporádicos e achei melhor dar destaque a outras coisas. o site continua o mesmo, mas agora ficou mais fácil encontrar meus livros ou assinar a newsletter.

claro que enquanto fazia o site não consegui fazer mais nada e a newsletter está atrasada, a escrita está parada e a pilha de leituras continua crescendo. mas tudo bem. de volta à programação normal.

goodreads e eu

, ,

pra quem lê muito e é levemente compulsivo obsessivo, o goodreads é a princípio um pouco desanimador. pra quem lê muito e não tem problemas de TOC, é provavelmente muito mais fácil e divertido começar um perfil por lá. quer dizer: tem que ir adicionando o que você já leu, o que quer ler, o que está lendo. eu nem lembrava direito o que tinha lido este ano; a sorte foi que a maioria li em formato digital e registrei no calibre as leituras finalizadas. o resto está na estante. teoricamente.

mas ok: fiz um perfil, adicionei as leituras deste ano e me prometi adicionar leituras de anos passados aos poucos. com calma. sem crise. puf puf. e manter atualizado.

também transformei meu perfil em um perfil de autor e agora você pode me seguir e fazer perguntas e acompanhar minhas leituras e comentários sobre livros (ainda não fiz nenhum, mas né, TOC).

como transformar estresse e ansiedade em produtividade

how to reframe stress and anxiety into productivity

era o título de um artigo que me apareceu (como sempre me aparecem as coisas mais estranhas) na lista de recomendações do pocket. outro desses artigos absurdos que às vezes me gritam com esses títulos longos e imperativos. quase sempre eu sigo adiante mas dessa vez eu parei e precisei pensar duas vezes no absurdo da formulação. pensei naquele artigo da Eliane Brum e nalgum outro que devo ter lido sobre a idolatria da produtividade; pensei na minha própria ansiedade e o tanto que ela está (sempre esteve) ligada a uma angústia de produzir mais e melhor e sempre (pra quê; pra quem?).

pensei então que esse título é o cúmulo da loucura dos tempos modernos: transformar em produtividade os efeitos colaterais negativos da necessidade de ser produtivo o tempo todo; a necessidade de transformar tudo em produção.

se nossa sociedade precisa de um novo ícone revolucionário ele tem que ser alguém parecido com Bartleby, o escrivão, que preferia não fazer.

e não produzia nada.