olivia maia - escritora desterrada. meio artista.

tag: livro

mais SÃO PAULO NOIR

teve o lançamento do livro São Paulo noir na Livraria Cultura e rever amigos em São Paulo e já voltei, ufa.

Mario Prata, Ilana Casoy, Fernando Bonassi, Tony Bellotto, Ferréz, eu, Vanessa Bárbara e Maria Carvalhosa.

se você perdeu o lançamento dá pra comprar o livro online. pra facilitar, deixo o link da página do livro no buscapé, com a comparação de preços de algumas livrarias. modéstia à parte, o livro ficou bem massa, e gostei do resultado do meu conto. um bom presente de natal praqueles tios e tias que só falam em Simenon e Rex Stout.

Salvar

são paulo noir: mancha de café

está nas livrarias o livro São Paulo noir, da Editora Casa da Palavra. nas palavras da editora:

Pauliceia é tema do novo livro da série Noir. Uma seleção de histórias surpreendentes onde a cinzenta São Paulo, mais do que um simples cenário, torna-se personagem. Contos policiais que retomam a atmosfera noir imortalizada por Hollywood em filmes como “O falcão maltês”, escritos por nomes como Marcelo Rubens Paiva, Mario Prata, Jô Soares, Drauzio Varella, Ferréz, Vanessa Barbara, entre outros.

e “entre outros” está meu conto Mancha de café, abrindo a coletânea em pleno bairro da Sé:

whatsapp-image-2016-11-25-at-16-05-50

já é o segundo livro da série Noir que se passa em uma cidade brasileira; o primeiro foi o Rio noir.

o conto Mancha de café comecei a escrever antes ainda do convite para participar do livro, mas empaquei pelo caminho por não saber o que fazer com aquela ideia. era um conto, uma novela? um rabisco, talvez? tinha uma protagonista e sabia dela o que ela me contava (não muito mais). nem o nome dela ela sabia direito (ou se sabia, não me contou). enfim veio o convite e agarrei o bairro da Sé. precisava de uma área com muito ruído e advogados. se a ideia inicial não tinha cidade definida no texto era mera desculpa: todo tempo eu estava imaginando o centro de São Paulo enquanto escrevi aquelas primeiras linhas.

e nada como um prazo pra destravar escrita bloqueada. o conto foi completado aos poucos, em trânsito, entre o Rio Grande do Norte e São Paulo, onde enfim revisitei o bairro escolhido só pra me certificar de algumas curvas e becos. missão cumprida.

e pra quem mora em São Paulo, vai ter lançamento!

Salvar

lançamento em são paulo

dia 29 de novembro tomo o rumo de São Paulo e fico até dia 3 de dezembro.

81ljjseiknlmeus planos:

– fazer voltas por sebos em pinheiros e (se alguém me convencer e me fizer companhia) também no centro;
– passear pela avenida paulista feito turista;
– encontrar os amigos que estiverem com tempo (é uma indireta cof cof);
– participar do lançamento do livro SÃO PAULO NOIR, da editora Casa da Palavra, no dia 1º de dezembro.

paf.

o livro: uma coletânea de contos policiais editada pelo Tony Belloto. tem conto meu e de um monte de gente massa também. o lançamento vai ser na Livraria Cultura do Cj. Nacional, dia 1º de dezembro, a partir de 18h no teatro Eva Herz; vai ter bate-papo com autores e autógrafos e essa coisa toda.

bora?

quem não pode ir ao lançamento mas quer comprar o livro ele já está à venda em várias livrarias online que entregam em todo lado. depois me diz que tal o conto?

Salvar

um personagem chamado Janderson

não sei como isso aconteceu.

mas agora tem um tal de Janderson nas páginas do livro que estou escrevendo.

e olha: capaz esse nem seja seu nome verdadeiro. parece que ele tem muitos nomes.

mas se ficamos nesses nomes de classe média 1990 Eduardo e Mônica chega uma hora os personagens parecem todos a mesma pessoa.

mas Janderson, será? precisamos mesmo de um Janderson?