olivia maia - escritora e ilustradora desterrada.

tag: música

todd snider e essas coisas

porque claro que se pode escrever difícil ou desenvolver técnicas sofisticadas e fazer alta cultura ou que quer que seja que isso significa, agradar a academia e os mais exigentes apreciadores da arte.

pode-se também duvidar da capacidade do público e simplificar o quanto for possível, dar as coisas mastigadas e fáceis, que é para não precisar pensar nem mesmo no sentido da identificação: mera continuidade do ambiente em que se vive, e quanto mais confortável melhor.

porque é isso, não? a literatura, as artes; funcionam por identificação. algum ponto de contato e de lá a transformação transposição para outro lugar, outras ideias, outras possibilidades. o ponto de contato que pode ser qualquer coisa, mas precisa existir de alguma forma, nem que seja na mera existência humana de um personagem.

mas ainda um meio termo? aproximar-se no que há de verdade profunda nas pequenas coisas, a identificação por aquilo que não se queria muito encarar como realidade mas que está sempre lá, como uma sensação incômoda porque não identificada, e que talvez fosse saudável começar a distinguir.

ou isso:

da irmãzinha: go violets

, ,

JOSIE é último single da banda go violets, que minha hermana montou lá do outro lado do mundo, em Brisbane.

o penúltimo single, TEENAGER, também é bem massa, e tem até um video que ela editou em casa para se fazer de clipe, nerdeando loucamente no sofá da sala quando da última visita que fez aqui pra terrinha.

hoje ela mandou o link de uma matéria sobre elas que saiu num site espanhol de música.

POP GARAJERO.

hermana na ponta direita.

hermana à direita.

e a música que eu mais gosto: RUNNER. aliás, fuçando aqui dá pra ouvir as outras também.

little boxes

,

and the people in the houses
all went to the university
where they were put in boxes
and they came out all the same

[+]

música de brinquedo

,
P1040528

sensacional o show do Pato Fu do álbum Música de brinquedo.

tirei algumas fotos, só pelo registro. mas só estando lá. a versão ao vivo de Live and let die(pra impressionar um beatle) foi um troço lindo (a Fernanda Takai pediu pro pessoal filmar e colocar no youtube, quem sabe alguém já não fez isso).

quero de novo!

na falta da versão ao vivo, vai a versão de estúdio, que é quase tão boa quanto:

recomendo também os dois vídeos de making of do CD: parte 1 e parte 2.

hip hip!