de Diego Almagro ao oceano pacífico

eu achava que sabia espanhol até entrar no Chile.

porque nem ninguém me entende e eu não entendo ninguém. meu consolo é que também não entendem o Fernando, que é argentino (mas até aí ele diz que nem a mãe dele entende o que ele diz).

Diego Almagro é menos feia pela manhã. na verdade tem algo de pitoresca; e como acontece nessas cidadezinhas nada turísticas a gente toda fica te encarando imaginando talvez de onde cazzo saíram essas pessoas estranhas esse tipo magrelo e muito branco e essa maluca de cabelo curto.

fomos à empresa de ônibus comprar a passagem a Caldera e paramos na biblioteca pra usar internet e perguntar sobre a região. tínhamos que sair da hospedagem ao meio-dia e o ônibus saía às 14h. compramos comida e esperamos na calçada com uns sanduíches frios em frente ao lugar onde o ônibus parava.

a viagem é mais ou menos curta e exemplifica o que o Fernando tinha comentado sobre chegar ao oceano Pacífico: você pode estar a poucos quilômetros do mar e ainda assim só vê montanha. cruzamos foi um grande deserto arenoso de morros com cara de duna e mais alguns povoados mineiros até alcançar Chañaral, que é uma cidade de porto e praia.

e mesmo cinzento quando subia uma onda se via aquela cor turquesa de mar do Caribe.

pedras e montanhas e casinhas coloridas de chapa. o ônibus tomou a esquerda rumo ao sul e seguiu pela rodovia bordeando o mar. vez ou outra surgiam uns pontos com casinhas pré-fabricadas enfileiradas pela areia. no mais era muita pedra e muita areia. muita areia por todos os lados. estávamos num deserto ao lado do oceano.

mais adiante o céu ia se abrindo e o mar se via mais azul. nos enroscamos numa parte do caminho cheia desses bloqueios em que liberam um lado da pista por vez, que estavam remendando o asfalto e fazendo miles de obras pelo caminho. Caldera estava a poucos quilômetros depois disso tudo. chegaríamos com o sol (mas o vento veio junto).

aí claro encontrar hospedagem, encontrar a praça, encontrar comida, não encontrar o escritório de informação turística, encontrar lavanderia… usar a internet do hostal. somos mochileros muy truchos, disse o Fernando.

sim.

Caldera em si não tem grande coisa de praia, e melhor é caminhar cinco quilômetros até Bahia Inglesa um pouco mais ao sul. mas tudo bem porque se tanto que de fato as coisas são todas mais caras no Chile nenhum dos dois tem muita pressa de chegar em lugar nenhum (até porque nem sabemos como vamos fazer pra voltar à Argentina).


publicado também no Medium.