uvas e cabras

Cafayate tem muitas bodegas e uma fábrica de queijo de cabra. se pode visitar as bodegas e fazer degustação, algumas grátis e outras não. no final das contas fomos em duas: uma grátis, com uma visita sem vergonha que não mostrava nada, junto de um grupo de velhos de excursão que se divertia com as piadas sem graça da mocinha que nos explicou tudo; a outra que se pagava 10 pesos, mas que é um dos vinhos mais baratos daqui e eu queria provar pra saber se era bom e quem sabe comprar uma garrafa (comprei uma garrafa). essa última tinha uma visita mais interessante, de passear pelo lugar e mostrar todos os processos.

aí tem a fábrica de queijo de cabra, que também paga 10 pesos e tem um tour todo completo e a moça explica como se cuida da cabra, que se faz com a cabra, como se tira o leite da cabra (com música clássica!) etc etc. mui divertido, embora me causava um estranhamento ver as cabrinhas ali comendo comendo comendo e a moça associando o bem-estar das bichinhas com a qualidade do produto. mas enfim é o mundo e estranha devo ser eu.

também tinha degustação e dá vontade de comprar todos os sabores de queijo mas a gente comprou só dois. nham.

porque aí eu e Andressa já estávamos um pouco cansadas do ritmo de viagem até ali e uma pilha de ficar um pouco à toa, comer queijo, ler. deslocar-se muito seguido e mudar sempre de lugar vai cansando a cabeça por mais incrível que sejam os cenários. ou principalmente porque os cenários são incríveis: sempre tem alguma coisa nova pra se ver, pra se fazer. aí que último dia inteiro em Cafayate ficamos mais pelo hostel mesmo, e nem fomos nas tais das sete cascadas, que é trekking e cachoeiras pelo rio Colorado.