Etiqueta / leituras

    Carregando post...
  • dois livros que me inspiraram e acompanharam quando escrevi TRÉGUA

    1. 62 modelo para armar, do Julio Cortázar: fiz referência a ele na epígrafe, com um trecho do capítulo 62 de Jogo da Amarelinha. não sei exatamente por quê esse livro me marcou tanto, na verdade. é um livro bem maluco. mas deu uma luz: uma forma possível de escrever; os personagens que se trombam…

  • mais do que um leitor

    El oficio literario es de lo más paradójico: es verdad que escribes en primer lugar para ti mismo, para el lector que llevas dentro, o porque no lo puedes remediar, porque eres incapaz de soportar la vida sin entretenerla con fantasías; pero, al mismo tiempo, necesitas de manera indispensable que te lean; y no un…

  • o tempo em suspensão

    eu queria escrever sobre A montanha mágica, de Thomas Mann. mas como escrever sobre A montanha mágica sem falar do final do livro e da relação que ele estabelece com o resto da narrativa, e principalmente da forma como ele transforma e reconfigura tudo o que se leu até ali, todas aquelas 950 páginas que…

  • como começar um romance II

    La vida es un pequeño espacio de luz entre dos nostalgias: la de lo que aún no has vivido y la de lo que ya no vas a poder vivir. Y el momento justo de la acción es tan confuso, tan resbaladizo y tan efímero que lo desperdicias mirando con aturdimiento alrededor. Rosa Montero, La…

  • enciclopédia de seres fantásticos

    “The person possessed by hatred. Known since time immemorial. He doesn’t change; only the methods change that he employs in gaining his end. Moderately ominous when he acts in isolation, which, however, rarely occurs, as he is contagious. He spits. He spreads chaos in the conviction that he is creating order. He likes making pronouncements…